Secretaria de Saúde discute prevenção contra Aids e Sífilis em Simão Dias


Na manhã desta quinta-feira (13) foi realizada em Simão Dias, uma palestra com a finalidade de discutir Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST/AIDES).



O evento ocorreu no Centro de Estudos Marcos Ferreira (Supletivo) e teve como palestrante o médico e coordenador do Programa IST/AIDS em Sergipe, Almir Santana.



A oficina/palestra de prevenção para debater os problemas da Sífilis congênita e o diagnóstico da Aids reuniu médicos, enfermeiros, agentes comunitários de saúde, dentre outros profissionais de saúde do município. 


Durante a oficina os profissionais foram instruídos sobre as formas de diagnóstico do vírus da Aids, além de como trabalhar com mais qualidade nas ações educativas junto à comunidade, principalmente às mais vulneráveis. 



O trabalho desses profissionais é imprescindível para a diminuição no número de casos e diagnóstico das doenças. “Os enfermeiros, os médicos e os agentes de endemias estão na linha de frente desse nosso trabalho. Eles estão junto às comunidades diariamente e é preciso que eles estejam atualizados para que possam aprender a diagnosticar e instruir essas pessoas para a prevenção, como o uso correto da camisinha”, disse Almir Santana.



A doença
A sífilis é uma doença causada por uma bactéria e pode se manifestar em três estágios. Nos dois primeiros estágios iniciais da doença os sintomas são mais evidentes. No último estágio, a doença tende ser mais silenciosa, por isso têm-se a impressão de cura da doença. 



Os principais sintomas são pequenas feridas nos órgãos sexuais e ínguas na região da virilha. Estes sintomas costumam aparecer entre 7 e 20 dias após o sexo sem proteção. 



A sífilis pode ser transmitida através do sexo sem camisinha ou da mãe infectada para o bebê durante o parto. Todas as gestantes devem fazer o teste da doença durante o primeiro pré-natal, aos nove meses e no momento do parto.



A palestra foi promovida pela secretaria municipal de Saúde em parceira com secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Programa IST/Aids.


Conte-nos sua opinião